WhatsApp

Fechar busca

Digite o nome do produto

Digite o nome do produto e toque em Ir ou selecione um produto da lista.
R$ 0,00

Meu Carrinho

Indique amigos e ganhe créditos em nossa loja!

O obstáculo da alimentação chamada de fit – menos calórica – é um só: comer com menos gordura, menos carboidrato, menos açúcar... E por que isso é um obstáculo? Porque gordura é sinônimo de sabor, carboidrato é sinônimo de conforto e açúcar é prazer puro. A Orgânico Gourmet tem pelo menos duas soluções para isso tudo: os ingredientes orgânicos, muito (muito!) mais saborosos, e a alta gastronomia. 
 
O domínio das técnicas profissionais de cocção garante pratos bonitos, saborosos e aromáticos, com combinações de sabores únicas. Dessa maneira, é possível fazer, sem drama, substituições espertas, como no caso do spaghetti de pupunha, que ganha perfume e textura extras na versão com limão e amêndoas, e ainda mais saciedade na receita com polpetas de berinjela. A abobrinha também faz as vezes de massa na versão com paillard de mignon. E se sai muito bem nesse papel, viu?
 
Ao lado da abobrinha, a berinjela nutre e sacia com poucas calorias. Vai de pappardelle de berinjela ao pesto de manjericão ou berinjela recheada de carne com curry
 
Entre as criações fit do chef André Galante, outro destaque é o arroz. Low carb, a versão feita com couve-flor, bem temperada e no ponto de cozimento certo, dá conta do recado! No nosso cardápio, ela é acompanhamento do miolo de paleta com molho roti, do strogonoff lacfree de frango e também vira risoto, acompanhado de alho-poró e peito de frango grelhado (foto). Você precisa provar essas delícias!

 

E tem mais: na paella de frango e legumes, o arroz sai de cena para dar vez à nutritiva quinoa – substituição esperta! 
 
Por fim, o que fazer com aquela vontade de doce no meio da tarde? Nova no cardápio, a tartelete de coco com manga leva melaço no lugar do açúcar, além de ricota, farinha de castanhas e leite de coco. Tudo orgânico e incrivelmente saboroso. Ufa, assim fica mais fácil!
 


“O comilão, que come tudo que é comível, acaba comido pela comida.”
Millôr Fernandes